sábado, 26 de dezembro de 2015

Meu trabalho de contadora de histórias no Sopapinho, exibido no programa Nação sobre a autoestima da criança negra.
https://www.youtube.com/watch?v=vuyznxQnWAQ

terça-feira, 24 de novembro de 2015

Na última edição de 2015, o SOPAPO POÉTICO – Ponto Negro da Poesia tem a grande satisfação de lançar a sua primeira antologia poética, reunindo poemas de colaboradores e frenquentadores do sarau. Seguindo o caminho trilhado pelos mestres, os poetas "sopapeiros", de forma compacta e intensa, apresentam seus escritos numa publicação literária coletiva, transmitindo, em doses concentradas, um pouco da energia que é renovada mês a mês no encontro de “vivas vozes”.
Participam dessa antologia: Delma Gonçalves, Jorge Fróes, Fátima Farias, Lilian Rocha, Sidnei Borges, Paulo Ricardo de Moraes, Renato Borba, Maria do Carmo, Jorge Onifade, Pâmela Amaro, Mamau de Castro, Leandro Machado, Renta Moura, Duan Kissonde, Ana do Santos, Silvana Conti, Nádia Lis Severo, Jair Romaria e Isabete Fagundes.

O evento será realizado no dia 24/11, terça-feira, às 19h, no SIMPA - Sindicato dos Municipários de Porto Alegre, na Av. João Alfredo, nº 61 - ao lado do Largo Zumbi - Porto Alegre/RS.

O encontro inicia com a exibição de vídeos do CINE KAFUNÉ e com a FEIRA AFRO, que integra o empreendedorismo negro, com exposição e venda de artesanato, roupas, discos, livros e diversos acessórios. Paralelamente ao sarau, acontece o SOPAPINHO, onde os pequenos desenvolvem atividades acompanhadas de educadoras.

SOPAPO POÉTICO - Ponto Negro da Poesia
36ª EDIÇÃO - NOVEMBRO/2015
Lançamento do Livro do Sopapo Poético
Quando: terça-feira, 24 de novembro, às 19h
Onde: SIMPA - Sindicato dos Municipários de Porto Alegre
Av. João Alfredo, nº 61 - ao lado do Largo Zumbi - Porto Alegre/RS.
ENTRADA FRANCA
9365-3315 - 8428-2804 - 9317-6497 - 9218-5449

Realização:
ANdC - Associação Negra de Cultura

Apoios:
Cine Kafuné
SINDIPETRO-RS - Sindicato dos Petroleiros
SIMPA - Sindicato dos Municipários de Porto Alegre
AECPARS – Associação das Entidades Carnavalescas
Escola de Samba Acadêmicos da Orgia
Boteko do CANINHA (Areal da Baronesa)

terça-feira, 17 de novembro de 2015

"...QUANTAS ANÔNIMAS GUERREIRAS BRASILEIRAS!"  (Oliveira Silveira)

   Na minha busca por uma identidade afro-brasileira, encontro nos escritos de Lélia Gonzales a prova de que existe, sim, uma intelectual negra brasileira que pensa em nós como mulheres e nos constitui como elemento central e fundador de um país chamado Brasil. Lélia, uma intelectual, ativista aguerrida na luta antirracista e antissexista, teve uma ascendência social e intelectual que não a impediu de questionar o pensamento ocidental e ressignificar o feminismo, chamando a atenção para os fatores raça, gênero e classe.
  Nos anos 80, ela ressaltava que dentro do Movimento Negro era necessário abrir um debate para uma maior visibilidade das mulheres negras como sujeitos políticos. A verdadeira emancipação começaria a partir do momento em que nós, mulheres falássemos por nós mesmas e não fôssemos tratadas como objeto de estudo: "Nós negros estamos na lata de lixo da sociedade brasileira, pois assim determina a lógica da dominação. Exatamente porque temos sido falados, infantilizados, assumimos nossa própria fala, ou seja, o lixo vai falar. E numa boa!"
   Num texto publicado no Jornal Mulherio, ela faz a provocação: "E a trabalhadora negra cumé que fica?" Estamos nos anos 80 e a condição das mulheres negras como trabalhadoras domésticas ainda não está contemplada pelas leis trabalhistas criadas em 1930 por Getúlio Vargas. Nos anos 40, o próprio Movimento Negro cria a Associação das Empregadas Domésticas para garantir algumas condições mínimas de saúde, e dessa forma começa a "empoderar" algumas delas com cursos de datilografia e secretariado. Em 2013, século XXI, a PEC das Domésticas traz de volta todo o "chorume" da "casa-grande": não querem assinar a carteira, nem pagar os direitos trabalhistas para "aquela que já faz parte da família"...Não esqueçamos que muitas até hoje não assinam sua carteira porque não sabem ler...
   Lélia faz uma reflexão sobre a estrutura de trabalho no Brasil construída em cima da escravidão: "a trabalhadora rural de hoje não difere muito da escrava do eito de ontem, a empregada doméstica não é muito diferente da "mucama" de ontem, o mesmo poderia dizer-se da vendedora ambulante, da "joaninha", da servente ou trocadora de ônibus e "escrava de ganho de ontem".
   Ela também fala do espaço privado e o espaço público que a negra ocupa: dentro de casa, o quartinho da empregada ( reprodução da senzala) e fora de casa a "mulata ' do Carnaval: " as formas particulares de violência, abuso e assédio sexual que vêm desde a Colônia quando os homens iniciavam sua vida sexual com a negra e com a branca fazia sexo apenas para fins reprodutivos.
  É justo nesse ponto da análise, que Lélia faz o que é chamado em filosofia de "uma dobra deleuziana", ou seja, ela contorna essa análise de uma perspectiva chamada "resistência passiva". Sim, nós, negras, resistimos aparentemente pela "passividade", mas dessa forma, imprimimos uma identidade cultural no Brasil que está no nosso DNA até os dias de hoje. Somos filhas e netas de Dandara, aquela que preferiu se matar a ser escravizada de novo. Somos quilombolas e herdamos dessa resistência, a sagacidade de um povo: "Enquanto escrava do campo (café e cana) ela estimulou a revolta, a fuga e a formação de quilombos. Ela lutou contra as expedições militares, educou os filhos contra a escravidão, a colônia e o racismo."
   Pensando em cultura como um elemento de conscientização política e a valorização de uma identidade negra, ela chega num ponto crucial: "Enquanto mucama ou ama-de leite, mantinha um contato direto com os senhores, reproduzindo a ideologia senhoral e "fazia a cabeça do senhor" numa resistência passiva e profunda. Ela fazia o papel de "Mãe Preta" e nessa profundidade ela criou uma espécie de "romance familiar" cuja importância foi vital na formação dos valores e crenças do nosso povo. Ela, conscientemente ou não, passou "as categorias" das culturas negro-africanas de que era representante. Ela africanizou o Português, criando assim o "Pretuguês".
   A atualidade do pensamento de Lélia me emociona e me toca profundamente enquanto minhas irmãs marcham em rumo à Brasilía, na Primeira Marcha das Mulheres Negras, em 18 de novembro de 2015. Transcrevo aqui uma realidade da qual faço parte: as duplas e triplas jornadas às quais as mulheres negras conhecem tão bem e que nos diferem de nossas irmãs brancas. O Feminismo AfroLatinoAmericano ou a Amefricanidade trata sobre as mulheres na diáspora africana na América Latina. Nosso Feminismo Negro é o "Womanism" de que falava Alice Walker, é o "Mulherismo, de mulheridade. Mulheridade é a construção do sexo junto com o parceiro ou parceira: "Eu sou mulher junto com o outro, é o sexo além do orgasmo, é o devir, o vir a ser. É a solidariedade.
   "Hoje enquanto mãe e companheira continua sozinha a batalhar o sustento dos filhos, enquanto o companheiro, objeto da violência policial, está morto ou na prisão, ou então desempregado e vítima do alcoolismo. Em matéria de dupla jornada ela é "expert" (acorda mais cedo, deixa a comida pronta, lava roupas, leva o filho ao médico). ela sempre dá um jeito de ir o Samba (exercitar o lúdico). Curte um Carnaval e é protagonista nessa festa. Vai ao terreiro ou centro exercer a fé nos Orixás. Tem medo de barata, mas não tem medo da polícia e tem consciência política."
   Essas são as anônimas guerreiras brasileiras, grupo do qual faço parte e tenho muito orgulho de pertencer!
Ana Dos Santos
  

domingo, 8 de novembro de 2015

ESCRITORAS NEGRAS NA LITERATURA BRASILEIRA, UM RECORTE FEMININO
    Fiz uma pesquisa sobre o protagonismo da mulher negra na Literatura Brasileira. Problematizo também aqui, o que seria uma Literatura Afro-brasileira, num país onde a Lei 10. 639/03, que trata da obrigatoriedade do Ensino da Cultura e História Africana e Afro-brasileira em todos os níveis de Ensino, completou doze anos sem efetividade. Nessa "expedição" difícil, usei muito a internet para compor esse painel. Ei-lo:
LITERATURA AFRO-BRASILEIRA - é a Literatura de escrita em Língua Portuguesa de autoria (protagonismo) afrodescendente que tematiza o negro na sua condição política de sujeito de sua própria história e que se sente pertencente a cultura afro-brasileira.
   O conceito ainda está em construção, mas tem o ponto de vista culturalmente identificado à afrodescendência como fim e começo. Se a Literatura é veículo de conscientização e mobilização, a Literatura Afro-brasileira exalta a herança étnica e redefine a expressão cultural afro-brasileira.
    Na segunda metade do século XVIII, início do século XIX, já temos algum registro, mas o público leitor ainda é formado pelo homem branco. E segundo Zilá Bernd, os temas e autores negros são aqueles visíveis e ativos que pretendem transformar sua comunidade e vida, através de ações afirmativas, solidariedade e construção de autoestima.
    A Literatura Afro-brasileira é uma criação vinculada com a África que nos deixou um legado cultural vasto e primoroso. É através do conhecimento deste legado que a criança negra será capaz de identificar-se enquanto pessoa pertencente ao grupo negro e orgulhar-se de suas origens e de sua história.
   A primeira romancista brasileira é uma mulher negra:
- MARIA FIRMINA DOS REIS : "ÚRSULA" - 1859, Maranhão (romance considerado como o 1º romance da Literatura Afro-brasileira, tem como tema a Abolição), "13 DE MAIO". Em 1890, ela fundou uma escola gratuita e mista.
- AUTA DE SOUZA: "HORTO" - 1900, Macaíba - RN (Publicou seu único livro, Horto, de significativa repercussão e cujo prefácio foi escrito por Olavo Bilac, o poeta brasileiro mais célebre daquela época).  Foi uma poetisa brasileira da segunda geração romântica (ultrarromântica, byroniana ou Mal do Século). Escrevia poemas românticos com alguma influência simbolista, e de alto valor estético. Segundo Luís da Câmara Cascudo, é “a maior poetisa mística do Brasil”.
- RUTH GUIMARÃES BOTELHO - 1946 - "ÁGUA FUNDA", Cachoeira Paulista (romance) -  Ruth Guimarães foi eleita no dia 5 de junho de 2008, para ocupar a cadeira número 22, da Academia Paulista de Letras.
- CAROLINA DE JESUS: "QUARTO DE DESPEJO", 1960, Rio de Janeiro (baseado em seus diários pessoais, essa catadora de papel relata o seu dia a dia na favela e faz uma crítica social à fome, miséria e violência). Ela teve uma carreira meteórica e escreveu outros livros, além de compor sambas.
- MARIA HELENA VARGAS - "AS FILHAS DAS LAVADEIRAS", 1987,"O SOL DE FEVEREIRO", 1991, "NEGRADA", 1994, "HELENA DO SUL", 2007, Rio Grande do Sul ( esse conto fez muito sucesso assim como "Conversa de negro"). Ela foi patrona da Feira do livro de São Lourenço do Sul em 1995 e membro da Academia Pelotense de Letras no ano 2000.
   Nos anos 80 em São Paulo, surge a Antologia literária "CADERNOS NEGROS", de onde surgirão muitas escritoras negras;
- CONCEIÇÃO EVARISTO - "PONCIÁ VIVÊNCIO", 2003, Minas Gerais ( residente no Rio de Janeiro desde 1971, começo a escrever em 1990, também escreveu "Becos da Memória", "Poemas", "Insubmissas lágrimas"' e "Olhos d´água").
- MÍRIAM ALVES - "MULHER MATRIZ", 2011, (também escreveu "Momentos de busca" em 1983
- ESMERALDA RIBEIRO - " MALUNGOS E MILONGOS", 1988, São Paulo ( começou a escrever em 1982, escreveu "Ogun" e "Gostando mais de nós mesmos", 1999)
- HELENA THEODORO - "IANSÃ", 2010, Rio de Janeiro "(também escreveu "Mito e espiritualidade...Mulheres negras")
- MÃE BEATA DE IEMONJÁ - "CAROÇO DE DENDÊ, A SABEDORIA DOS TERREIROS", 1997, "TRADIÇÃO E RELIGIOSIDADE", (O LIVRO DA SAÚDE DAS MULHERES NEGRAS), 2000, "HISTÓRIAS QUE A MINHA MÃE CONTAVA", 2005,  Cachoeira - BA - Rio de Janeiro 
- CRISTIANE SOBRAL: "NÃO VOU MAIS LAVAR OS PRATOS", 2010, Rio de Janeiro (poesia)
    Nos anos 90 surge uma escritora que vai falar da mulher negra e seu universo, num momento onde a beleza negra é retratada nas capas da Revista Raça Brasil, é uma releitura do Movimento negro que vai criar as cotas na mídia e depois nas universidades.
- ELISA LUCINDA - " LUA QUE MENSTRUA", 1992, Espírito Santo ( poetisa, atriz, jornalista e cantora, também escreveu " O semelhante", "Parem de falar mal da rotina" e "Fernando Pessoa, o cavaleiro do nada". Também dirige a "Casa Poema".
- ELZELINA DÓRIS DOS SANTOS - "CONTANDO A HISTÓRIA DO SAMBA", 2000, Belo Horizonte ( cantora, também escreveu "Herança do Samba")
- LIA VIEIRA - "SÓ AS MULHERES SANGRAM", 2011, Rio de Janeiro (também escreveu sobre Chica da Silva)
   Nos anos 2000, a mulher negra já está inserida no meio acadêmico. Sua fala está presente em vários campos do conhecimento. A internet possibilita a criação de blogs e sites para a publicação da sua escrita. Os financiamentos coletivos e os concursos literários também são propagadores desses novos talentos.
- CIDINHA DA SILVA: "PAREM DE NOS MATAR", 2016, "CANÇÕES DE AMOR E DENGO", 2016, "RACISMO NO BRASIL E AFETOS CORRELATOS", 2013, Minas Gerais ( Também escreveu: "Cada tridente em seu lugar", "Os 9 pentes d´Àfrica", "Kuami", "O mar de manu" e "Oh, margem! Reinventa os rios")
- ANA MARIA GONÇALVES - "UM DEFEITO DE COR", 2006, Minas Gerais ( sobre a vida de Luíza Mahin, também escreveu "Ao lado e à margem do que sentes por mim")
   Na Literatura Infantil:
- GENI MARIANO GUIMARÃES: "A COR DA TERNURA", 1998, São Paulo, "Terceiro Filho", 1979, "Da flor, o afeto, da pedra o protesto", 1981, "O Balé das emoções", 1993, Leite do peito", 2001
- VERALINDDÁ MENEZES: "PRINCESA VIOLETA", 2011, Rio Grande do Sul, "Lillinda - em minha amiga Rosinha", 2009
  Na Literatura Erótica:
- NINA SILVA: INCORPOROS, 2011
   Na Educação:
- PETRONILHA BEATRIZ GONÇALVES DA SILVA: indicada pelo Movimento Negro, integrou a comissão que elaborou o Parecer CNE/CPnº 3/2004 e estabelece diretrizes para o Ensino da História e Cultura Africana e Afro-brasileira no currículo da Rede de Ensino do Brasil
- ELIANE MARQUES: "O RELICÁRIO", 2009, "E SE ALGUÉM O PANO",2015, Sant'Ana do Livramento. É editora da revista de poesia Ovo da Ema e coordenadora da Escola de Poesia. Organizou os livros No meio da meia-lua, primeiros versos (2013), do coletivo “Africanamente Escola de Capoeira Angola”; Estamos Quites (2015), de Jorge Fróes, e a revista de poesia Não é o Bicho (2012), resultante do projeto “Poetas do Futuro”. Coordenou, junto com outros poetas, o AEDO – Arte e Expressão da Oralidade – Festival de Poesia, bem como as várias edições do Porto Poesia.
- TAIASMIN OHNMACHT: "ELA CONTA, ELE CANTA", 2016, em parceria com Carlos Alberto Soares, Porto Alegre (psicóloga e pós-graduada em Assessoria Linguistica) Ela tem três contos publicados  em uma coletânea da oficina literária de Alcy Cheiuche
   Presente na Feira Literária de Paraty, 2014, a escritora LÍVIA NATÁLIA: "ÁGUA NEGRA", 2011, Bahia, fez a seguinte declaração:
   "(...) A palavra é poder. Eu digo quem sou. Eu digo como quero ser pensada, representada. Escrever é dizer quem eu sou.(...)"
   Um fenômeno literário do século XXI, são os Saraus Negros, reuniões de poetas, músicos e artistas negros, como o Sarau Bem Black, Cooperifa, Sarau Preto e Sopapo Poético, da onde destaco três poetisas:
- DELMA GONÇALVES: "LANCEIROS NEGROS", 2006, Porto Alegre ( poetisa, contista e compositora, participa de grupos literários e é produtora musical)
- LÍLIAN ROCHA: "A VIDA PULSA", 2013, "NEGRA SOUL", 2016 Porto Alegre, (poetisa, cantora, participa ativamente de saraus e revistas literárias)
 e FÁTIMA REGINA FARIAS, poetisa e compositora que se descobriu no Sopapo Poético e representa a mulher doméstica que expõe em seus poemas a alma da mulher negra brasileira!
    Destaco do sarau Cooperifa a jornalista
- ELIZANDRA SOUZA - "PUNGA", 2007, "ÁGUAS DA CABAÇA",2012,  "PRETEXTOS DE MULHERES NEGRAS", 2013, poeta, jornalista, escritora, é responsável pela criação o Mjiba em Ação - Jovens Mulheres Negras em Ação e editora chefe da Agenda Cultural da Periferia
SALVE A MULHER NEGRA NA LITERATURA!
Ana Dos Santos
Referência:  http://brenoafricanidades.blogspot.com.br/search/label/Conceito%20de%20Literatura%20Afro-brasileira



PROTAGONISMO DAS MULHERES NEGRAS E MOVIMENTOS SOCIAIS
mesa que ocorreu dia 07/11/2015 na 61ª FEIRA DO LIVRO DE PORTO ALEGRE

   Inicio a minha escrita trazendo a palavra SANKOFA (pertencente ao conjunto de ideogramas dos povos do oeste da África) que significa: a sabedoria de aprender com o passado para melhorar o presente e construir o futuro.
   Eu gosto de meditar sobre o sentido das palavras, então, vamos ao título da nossa mesa:
PROTAGONISMO - é o processo de protagonizar, ser o ator principal, ter voz ativa.
MULHERES NEGRAS - mulher afrodescendente que se auto-declara negra.
MOVIMENTOS SOCIAIS - ação coletiva de setores da sociedade para defesa ou promoção de objetivos e interesses que visam a transformação da ordem estabelecida.
   Eu sou um Movimento Negro, eu sou uma negra em movimento, à partir do momento que eu deixo o meu lar, eu sou uma negra em movimento. À partir do momento em que eu convivo em sociedade, eu sou um Movimento Social.
   Quero contar um pouco sobre as mulheres protagonistas da minha vida: minha avó Martina, que teve sua vida documentada em vídeo por mim no meu Trabalho de Conclusão na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, orientada pela professora da disciplina de Literatura Oral: Ana Liberato. Minha avó era uma matriarca, contadora de histórias que estudou até a 4ª série e fez questão que as filhas estudassem. Foi uma das primeiras mulheres a votar na cidade de Alegrete.
   Minha mãe Iolanda, professora de Filosofia, deixou de lecionar a disciplina por motivos de força maior: a Ditadura brasileira que considerou essa ciência perigosa e a baniu dos currículos escolares por muitos anos. Ela e meu pai Gléber sempre se assumiram como negros. Buscavam através das lutas dos Direitos Civis nos Estados Unidos, referências e lideranças para suas consciências. Literatura, música, cultura trouxeram para eles a negritude necessária para enfrentar os preconceitos.
   Foi na nossa estante de livros que encontrei mais tarde na minha busca, a biografia do músico Sammy Davis Jr. : "Yes, I can" traduzida: "Sim, eu posso!", mote da campanha presidencial de Barack Obama. Também encontrei livro de contos do escritor paulistano Cuti, onde mostra as problemáticas e controvérsias do Movimento Negro no Brasil.
   Sofri racismo no jardim da infância, trauma que acomete a maioria das meninas negras no Brasil. Com o apoio de minha mãe, construí um sentimento de autoestima e amor próprio. Fiz o cursinho pré-vestibular Zumbi dos Palmares, onde além dos conteúdos das provas, tínhamos aulas sobre cidadania, direitos e cultura. Segui meus estudos até sofrer racismo novamente na Universidade, no curso de Letras, partindo dos professores. Era só eu e mais uma menina negra no curso todo. Mais uma vez, uma fada madrinha me auxiliou: Maria das Graças Gomes Paiva, uma professora negra, me apresentou o conceito EMPODERAMENTO. Através dele, eu deveria buscar meu aperfeiçoamento intelectual e a luta pelos meus direitos.
   Eu fui alfabetizada em casa e ao ganhar um diário da minha mãe, aos 10 anos, comecei a escrever e não parei mais. Ganhei meu primeiro concurso de poesias na Universidade. À partir daí, comecei a mostrar meus poemas para o mundo através de concursos, antologias e da venda de cartões com poemas e imagens. Participei de saraus e performances poéticas e criei um jornal digital de poesia.
   Eu sou protagonista da minha Literatura. Nos meus poemas falo de mim, das minhas dores e paixões.
Ana Dos Santos

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Minha participação no Encontro de Saraus divulgado no Programa Nação - TVE
           O encontro aconteceu no Odomodê dia 04/07/2015
               Sopapo Poético - POA e Sarau Preto - RJ
https://www.youtube.com/watch?v=j_xxCDZsSy0&feature=player_embedded

domingo, 26 de julho de 2015

Eu não queria
falar tanto
em racismo,
mas está na minha pele
Eu não queria
causar incômodo,
mas meus cabelos
incomodam tanto os outros
Eu estou cansada
mas essa luta
está longe de acabar
e eu vou morrer
lutando
para o amor vencer!
Ana dos Santos


terça-feira, 2 de junho de 2015

SARAU DE REABERTURA DA BIBLIOTECA PÚBLICA DO ESTADO
Liberdade

Ai que prazer
Não cumprir um dever,
Ter um livro para ler
E não fazer!
Ler é maçada,
Estudar é nada.
Sol doira
Sem literatura
O rio corre, bem ou mal,
Sem edição original.
E a brisa, essa,
De tão naturalmente matinal,
Como o tempo não tem pressa...

Livros são papéis pintados com tinta.
Estudar é uma coisa em que está indistinta
A distinção entre nada e coisa nenhuma.

Quanto é melhor, quanto há bruma,
Esperar por D.Sebastião,
Quer venha ou não!

Grande é a poesia, a bondade e as danças...
Mas o melhor do mundo são as crianças,

Flores, música, o luar, e o sol, que peca
Só quando, em vez de criar, seca.

Mais que isto
É Jesus Cristo,
Que não sabia nada de finanças
Nem consta que tivesse biblioteca...

Fernando Pessoa
A diretora da Biblioteca, o secretário de cultura e as Poetisas (incluindo a menina)