domingo, 8 de novembro de 2015

ESCRITORAS NEGRAS NA LITERATURA BRASILEIRA, UM RECORTE FEMININO

    Fiz uma pesquisa sobre o protagonismo da mulher negra na Literatura Brasileira. Problematizo também aqui, o que seria uma Literatura Afro-brasileira, num país onde a Lei 10. 639/03, que trata da obrigatoriedade do Ensino da Cultura e História Africana e Afro-brasileira em todos os níveis de Ensino, completou doze anos sem efetividade. Nessa "expedição" difícil, usei muito a internet para compor esse painel.
   Ei-lo:
LITERATURA AFRO-BRASILEIRA - é a Literatura de escrita em Língua Portuguesa de autoria (protagonismo) afrodescendente que tematiza o negro na sua condição política de sujeito de sua própria história e que se sente pertencente a cultura afro-brasileira.
   O conceito ainda está em construção, mas tem o ponto de vista culturalmente identificado à afrodescendência como fim e começo. Se a Literatura é veículo de conscientização e mobilização, a Literatura Afro-brasileira exalta a herança étnica e redefine a expressão cultural afro-brasileira.
    Na segunda metade do século XVIII, início do século XIX, já temos algum registro, mas o público leitor ainda é formado pelo homem branco. E segundo Zilá Bernd, os temas e autores negros são aqueles visíveis e ativos que pretendem transformar sua comunidade e vida, através de ações afirmativas, solidariedade e construção de autoestima.
    A Literatura Afro-brasileira é uma criação vinculada com a África que nos deixou um legado cultural vasto e primoroso. É através do conhecimento deste legado que a criança negra será capaz de identificar-se enquanto pessoa pertencente ao grupo negro e orgulhar-se de suas origens e de sua história.
   A primeira romancista brasileira é uma mulher negra:
- MARIA FIRMINA DOS REIS : "ÚRSULA" - 1859, Maranhão (romance considerado como o 1º romance da Literatura Afro-brasileira, tem como tema a Abolição), "13 DE MAIO". Em 1890, ela fundou uma escola gratuita e mista.
- AUTA DE SOUZA: "HORTO" - 1900, Macaíba - RN (Publicou seu único livro, Horto, de significativa repercussão e cujo prefácio foi escrito por Olavo Bilac, o poeta brasileiro mais célebre daquela época).  Foi uma poetisa brasileira da segunda geração romântica (ultrarromântica, byroniana ou Mal do Século). Escrevia poemas românticos com alguma influência simbolista, e de alto valor estético. Segundo Luís da Câmara Cascudo, é “a maior poetisa mística do Brasil”.
- RUTH GUIMARÃES BOTELHO - 1946 - "ÁGUA FUNDA", Cachoeira Paulista (romance) -  Ruth Guimarães foi eleita no dia 5 de junho de 2008, para ocupar a cadeira número 22, da Academia Paulista de Letras.
- CAROLINA DE JESUS: "QUARTO DE DESPEJO", 1960, Rio de Janeiro (baseado em seus diários pessoais, essa catadora de papel relata o seu dia a dia na favela e faz uma crítica social à fome, miséria e violência). Ela teve uma carreira meteórica e escreveu outros livros, além de compor sambas.
- MARIA HELENA VARGAS - "AS FILHAS DAS LAVADEIRAS", 1987,"O SOL DE FEVEREIRO", 1991, "NEGRADA", 1994, "HELENA DO SUL", 2007, Rio Grande do Sul ( esse conto fez muito sucesso assim como "Conversa de negro"). Ela foi patrona da Feira do livro de São Lourenço do Sul em 1995 e membro da Academia Pelotense de Letras no ano 2000.
   Nos anos 80 em São Paulo, surge a Antologia literária "CADERNOS NEGROS", de onde surgirão muitas escritoras negras;
- CONCEIÇÃO EVARISTO - "PONCIÁ VIVÊNCIO", 2003, Minas Gerais ( residente no Rio de Janeiro desde 1971, começo a escrever em 1990, também escreveu "BECOS DA MEMÓRIA", "POEMAS", "INSUBMISSAS LÁGRIMAS"' e "OLHOS D´ÁGUA").
- MÍRIAM ALVES - "MULHER MATRIZ", 2011, "BARÁ NA TRILHA DO VENTO", "BRASIL AFRO, AUTORREVELADO" (também escreveu "MOMENTOS DE BUSCA" em 1983).
- ESMERALDA RIBEIRO - " MALUNGOS E MILONGOS", 1988, São Paulo ( começou a escrever em 1982, escreveu "OGUN" e "GOSTANDO MAIS DE NÓS MESMOS", 1999)
- HELENA THEODORO - "IANSÃ", 2010, Rio de Janeiro "(também escreveu "MITO E ESPIRITUALIDADE, MULHERES NEGRAS")
- MÃE BEATA DE IEMONJÁ - "CAROÇO DE DENDÊ, A SABEDORIA DOS TERREIROS", 1997, "TRADIÇÃO E RELIGIOSIDADE", (O LIVRO DA SAÚDE DAS MULHERES NEGRAS), 2000, "HISTÓRIAS QUE A MINHA MÃE CONTAVA", 2005,  Cachoeira - BA - Rio de Janeiro
- CRISTIANE SOBRAL: "NÃO VOU MAIS LAVAR OS PRATOS", 2010, Rio de Janeiro (poesia), "O TAPETE VOADOR", "SÓ POR HOJE VOU DEIXAR MEU CABELO EM PAZ", "TERRA NEGRA"
    Nos anos 90 surge uma escritora que vai falar da mulher negra e seu universo, num momento onde a beleza negra é retratada nas capas da Revista Raça Brasil, é uma conquista do Movimento negro que vai criar as cotas na mídia e depois nas universidades.
- ANA CRUZ - "E...FEITO DE LUZ", 1995, Minas Gerais, "MULHERES BANTAS, VOZES DE MINHAS ANTEPASSADAS", 2011
- ELISA LUCINDA - " LUA QUE MENSTRUA", 1992, Espírito Santo ( poetisa, atriz, jornalista e cantora, também escreveu " O SEMELHANTE", "PAREM DE FALAR MAL DA ROTINA" e "FERNANDO PESSOA, O CAVALEIRO DO NADA". Também dirige a "Casa Poema".
- ELZELINA DÓRIS DOS SANTOS - "CONTANDO A HISTÓRIA DO SAMBA", 2000, Belo Horizonte ( cantora, também escreveu "Herança do Samba")
- ESMERALDA DO CARMO ORTIZ - "PORQUE NÃO DANCEI", 2001, autobiografia da autora que viveu a infância nas ruas, seu depoimento foi organizado pelo jornalista Gilberto Dimenstein, "DIÁRIO DA RUA", junto com Heloísa Pietro
- LIA VIEIRA - "SÓ AS MULHERES SANGRAM", 2011, Rio de Janeiro (também escreveu sobre Chica da Silva)
   Nos anos 2000, a mulher negra já está inserida no meio acadêmico. Sua fala está presente em vários campos do conhecimento. A internet possibilita a criação de blogs e sites para a publicação da sua escrita. Os financiamentos coletivos e os concursos literários também são propagadores desses novos talentos.
- CIDINHA DA SILVA: "PAREM DE NOS MATAR", 2016, "CANÇÕES DE AMOR E DENGO", 2016, "RACISMO NO BRASIL E AFETOS CORRELATOS", 2013, Minas Gerais ( Também escreveu: "CADA TRIDENTE EM SEU LUGAR", "OS 9 PENTES D'ÁFRICA", "KUAMI", "O MAR DE MANU" e "OH, MARGEM, REINVENTA OS RIOS")
- ANA MARIA GONÇALVES - "UM DEFEITO DE COR", 2006, Minas Gerais ( sobre a vida de Luíza Mahin, também escreveu "AO LADO E À MARGEM DO QUE SENTES POR MIM")
   Na Literatura Infantil:
- GENI MARIANO GUIMARÃES: "A COR DA TERNURA", 1998, São Paulo, "TERCEIRO FILHO", 1979, "DA FLOR, O AFETO, DA PEDRA, O PROTESTO", 1981, "O BALÉ DAS EMOÇÕES", 1993, LEITE DO PEITO", 2001
- VERALINDDÁ MENEZES: "PRINCESA VIOLETA", 2011, Rio Grande do Sul, "LILINDDA E SUA AMIGA ROSINHA", 2009
  Na Literatura Erótica:
- NINA SILVA: INCORPOROS, 2011
   Na Educação:
- PETRONILHA BEATRIZ GONÇALVES DA SILVA: indicada pelo Movimento Negro, integrou a comissão que elaborou o Parecer CNE/CPnº 3/2004 e estabelece diretrizes para o Ensino da História e Cultura Africana e Afro-brasileira no currículo da Rede de Ensino do Brasil

Escritoras Negras Gaúchas:
- ELIANE MARQUES: "O RELICÁRIO", 2009, "E SE ALGUÉM O PANO",2015, Sant'Ana do Livramento. É editora da revista de poesia Ovo da Ema e coordenadora da Escola de Poesia. Organizou os livros No meio da meia-lua, primeiros versos (2013), do coletivo “Africanamente Escola de Capoeira Angola”; Estamos Quites (2015), de Jorge Fróes, e a revista de poesia Não é o Bicho (2012), resultante do projeto “Poetas do Futuro”. Coordenou, junto com outros poetas, o AEDO – Arte e Expressão da Oralidade – Festival de Poesia, bem como as várias edições do Porto Poesia.
- TAIASMIN OHNMACHT: "ELA CONTA, ELE CANTA", 2016, em parceria com Carlos Alberto Soares, Porto Alegre (psicóloga e pós-graduada em Assessoria Linguistica) Ela tem três contos publicados  em uma coletânea da oficina literária de Alcy Cheiuche
   Presente na Feira Literária de Paraty, 2014, a escritora LÍVIA NATÁLIA: "ÁGUA NEGRA", 2011, Bahia, fez a seguinte declaração:
   "(...) A palavra é poder. Eu digo quem sou. Eu digo como quero ser pensada, representada. Escrever é dizer quem eu sou.(...)"
   Um fenômeno literário do século XXI, são os Saraus Negros, reuniões de poetas, músicos e artistas negros, como o Sarau Bem Black, Cooperifa, Sarau Preto e Sopapo Poético, da onde destaco três poetisas:
- DELMA GONÇALVES: "LANCEIROS NEGROS", 2006, Porto Alegre ( poetisa, contista e compositora, participa de grupos literários e é produtora musical)
- LÍLIAN ROCHA: "A VIDA PULSA", 2013, "NEGRA SOUL", 2016 Porto Alegre, (poetisa, cantora, participa ativamente de saraus e revistas literárias)
 e FÁTIMA REGINA FARIAS, poetisa e compositora que se descobriu no Sopapo Poético e representa a mulher doméstica que expõe em seus poemas a alma da mulher negra brasileira!

    Destaco do sarau Cooperifa a jornalista
- ELIZANDRA SOUZA - "PUNGA", 2007, "ÁGUAS DA CABAÇA",2012,  "PRETEXTOS DE MULHERES NEGRAS", 2013, poeta, jornalista, escritora, é responsável pela criação o Mjiba em Ação - Jovens Mulheres Negras em Ação e editora chefe da Agenda Cultural da Periferia

   O Slam, campeonato de poesia falada, fenômeno das ruas que surgiu nos Estados Unidos têm revelado poetas com voz de denúncia sobre o machismo, racismo e homofobia:
- LUISA ROMÃO - "SANGRIA", 2017, São Paulo, "COQUETEL MOLOTOV", 2014,  explora a linguagem do "sponken word"
 
SALVE A MULHER NEGRA NA LITERATURA!
Ana Dos Santos
Referência:  http://brenoafricanidades.blogspot.com.br/search/label/Conceito%20de%20Literatura%20Afro-brasileira


3 comentários:

  1. mulheres empoderadas e negras kkkk muito boa matéria Ana dos Santos ,,, parabéns e meu nome entre essas divas ? gratidão !!!!

    ResponderExcluir
  2. mulheres empoderadas e negras kkkk muito boa matéria Ana dos Santos ,,, parabéns e meu nome entre essas divas ? gratidão !!!!

    ResponderExcluir
  3. Excelente trabalho de pesquisa Ana dos Santos. Parabéns!

    ResponderExcluir