domingo, 8 de novembro de 2015

ESCRITORAS NEGRAS NA LITERATURA BRASILEIRA, UM RECORTE FEMININO
    Fiz uma pesquisa sobre o protagonismo da mulher negra na Literatura Brasileira. Problematizo também aqui, o que seria uma Literatura Afro-brasileira, num país onde a Lei 10. 639/03, que trata da obrigatoriedade do Ensino da Cultura e História Africana e Afro-brasileira em todos os níveis de Ensino, completou doze anos sem efetividade. Nessa "expedição" difícil, usei muito a internet para compor esse painel. Ei-lo:
LITERATURA AFRO-BRASILEIRA - é a Literatura de escrita em Língua Portuguesa de autoria (protagonismo) afrodescendente que tematiza o negro na sua condição política de sujeito de sua própria história e que se sente pertencente a cultura afro-brasileira.
   O conceito ainda está em construção, mas tem o ponto de vista culturalmente identificado à afrodescendência como fim e começo. Se a Literatura é veículo de conscientização e mobilização, a Literatura Afro-brasileira exalta a herança étnica e redefine a expressão cultural afro-brasileira.
    Na segunda metade do século XVIII, início do século XIX, já temos algum registro, mas o público leitor ainda é formado pelo homem branco. E segundo Zilá Bernd, os temas e autores negros são aqueles visíveis e ativos que pretendem transformar sua comunidade e vida, através de ações afirmativas, solidariedade e construção de autoestima.
    A Literatura Afro-brasileira é uma criação vinculada com a África que nos deixou um legado cultural vasto e primoroso. É através do conhecimento deste legado que a criança negra será capaz de identificar-se enquanto pessoa pertencente ao grupo negro e orgulhar-se de suas origens e de sua história.
   A primeira romancista brasileira é uma mulher negra:
- MARIA FIRMINA DOS REIS : "ÚRSULA" - 1859, Maranhão (romance considerado como o 1º romance da Literatura Afro-brasileira, tem como tema a Abolição), "13 DE MAIO". Em 1890, ela fundou uma escola gratuita e mista.
- AUTA DE SOUZA: "HORTO" - 1900, Macaíba - RN (Publicou seu único livro, Horto, de significativa repercussão e cujo prefácio foi escrito por Olavo Bilac, o poeta brasileiro mais célebre daquela época).  Foi uma poetisa brasileira da segunda geração romântica (ultrarromântica, byroniana ou Mal do Século). Escrevia poemas românticos com alguma influência simbolista, e de alto valor estético. Segundo Luís da Câmara Cascudo, é “a maior poetisa mística do Brasil”.
- RUTH GUIMARÃES BOTELHO - 1946 - "ÁGUA FUNDA", Cachoeira Paulista (romance) -  Ruth Guimarães foi eleita no dia 5 de junho de 2008, para ocupar a cadeira número 22, da Academia Paulista de Letras.
- CAROLINA DE JESUS: "QUARTO DE DESPEJO", 1960, Rio de Janeiro (baseado em seus diários pessoais, essa catadora de papel relata o seu dia a dia na favela e faz uma crítica social à fome, miséria e violência). Ela teve uma carreira meteórica e escreveu outros livros, além de compor sambas.
- MARIA HELENA VARGAS - "AS FILHAS DAS LAVADEIRAS", 1987,"O SOL DE FEVEREIRO", 1991, "NEGRADA", 1994, "HELENA DO SUL", 2007, Rio Grande do Sul ( esse conto fez muito sucesso assim como "Conversa de negro"). Ela foi patrona da Feira do livro de São Lourenço do Sul em 1995 e membro da Academia Pelotense de Letras no ano 2000.
   Nos anos 80 em São Paulo, surge a Antologia literária "CADERNOS NEGROS", de onde surgirão muitas escritoras negras;
- CONCEIÇÃO EVARISTO - "PONCIÁ VIVÊNCIO", 2003, Minas Gerais ( residente no Rio de Janeiro desde 1971, começo a escrever em 1990, também escreveu "Becos da Memória", "Poemas", "Insubmissas lágrimas"' e "Olhos d´água").
- MÍRIAM ALVES - "MULHER MATRIZ", 2011, (também escreveu "Momentos de busca" em 1983
- ESMERALDA RIBEIRO - " MALUNGOS E MILONGOS", 1988, São Paulo ( começou a escrever em 1982, escreveu "Ogun" e "Gostando mais de nós mesmos", 1999)
- HELENA THEODORO - "IANSÃ", 2010, Rio de Janeiro "(também escreveu "Mito e espiritualidade...Mulheres negras")
- MÃE BEATA DE IEMONJÁ - "CAROÇO DE DENDÊ, A SABEDORIA DOS TERREIROS", 1997, "TRADIÇÃO E RELIGIOSIDADE", (O LIVRO DA SAÚDE DAS MULHERES NEGRAS), 2000, "HISTÓRIAS QUE A MINHA MÃE CONTAVA", 2005,  Cachoeira - BA - Rio de Janeiro 
- CRISTIANE SOBRAL: "NÃO VOU MAIS LAVAR OS PRATOS", 2010, Rio de Janeiro (poesia)
    Nos anos 90 surge uma escritora que vai falar da mulher negra e seu universo, num momento onde a beleza negra é retratada nas capas da Revista Raça Brasil, é uma releitura do Movimento negro que vai criar as cotas na mídia e depois nas universidades.
- ELISA LUCINDA - " LUA QUE MENSTRUA", 1992, Espírito Santo ( poetisa, atriz, jornalista e cantora, também escreveu " O semelhante", "Parem de falar mal da rotina" e "Fernando Pessoa, o cavaleiro do nada". Também dirige a "Casa Poema".
- ELZELINA DÓRIS DOS SANTOS - "CONTANDO A HISTÓRIA DO SAMBA", 2000, Belo Horizonte ( cantora, também escreveu "Herança do Samba")
- LIA VIEIRA - "SÓ AS MULHERES SANGRAM", 2011, Rio de Janeiro (também escreveu sobre Chica da Silva)
   Nos anos 2000, a mulher negra já está inserida no meio acadêmico. Sua fala está presente em vários campos do conhecimento. A internet possibilita a criação de blogs e sites para a publicação da sua escrita. Os financiamentos coletivos e os concursos literários também são propagadores desses novos talentos.
- CIDINHA DA SILVA: "PAREM DE NOS MATAR", 2016, "CANÇÕES DE AMOR E DENGO", 2016, "RACISMO NO BRASIL E AFETOS CORRELATOS", 2013, Minas Gerais ( Também escreveu: "Cada tridente em seu lugar", "Os 9 pentes d´Àfrica", "Kuami", "O mar de manu" e "Oh, margem! Reinventa os rios")
- ANA MARIA GONÇALVES - "UM DEFEITO DE COR", 2006, Minas Gerais ( sobre a vida de Luíza Mahin, também escreveu "Ao lado e à margem do que sentes por mim")
   Na Literatura Infantil:
- GENI MARIANO GUIMARÃES: "A COR DA TERNURA", 1998, São Paulo, "Terceiro Filho", 1979, "Da flor, o afeto, da pedra o protesto", 1981, "O Balé das emoções", 1993, Leite do peito", 2001
- VERALINDDÁ MENEZES: "PRINCESA VIOLETA", 2011, Rio Grande do Sul, "Lillinda - em minha amiga Rosinha", 2009
  Na Literatura Erótica:
- NINA SILVA: INCORPOROS, 2011
   Na Educação:
- PETRONILHA BEATRIZ GONÇALVES DA SILVA: indicada pelo Movimento Negro, integrou a comissão que elaborou o Parecer CNE/CPnº 3/2004 e estabelece diretrizes para o Ensino da História e Cultura Africana e Afro-brasileira no currículo da Rede de Ensino do Brasil
- ELIANE MARQUES: "O RELICÁRIO", 2009, "E SE ALGUÉM O PANO",2015, Sant'Ana do Livramento. É editora da revista de poesia Ovo da Ema e coordenadora da Escola de Poesia. Organizou os livros No meio da meia-lua, primeiros versos (2013), do coletivo “Africanamente Escola de Capoeira Angola”; Estamos Quites (2015), de Jorge Fróes, e a revista de poesia Não é o Bicho (2012), resultante do projeto “Poetas do Futuro”. Coordenou, junto com outros poetas, o AEDO – Arte e Expressão da Oralidade – Festival de Poesia, bem como as várias edições do Porto Poesia.
- TAIASMIN OHNMACHT: "ELA CONTA, ELE CANTA", 2016, em parceria com Carlos Alberto Soares, Porto Alegre (psicóloga e pós-graduada em Assessoria Linguistica) Ela tem três contos publicados  em uma coletânea da oficina literária de Alcy Cheiuche
   Presente na Feira Literária de Paraty, 2014, a escritora LÍVIA NATÁLIA: "ÁGUA NEGRA", 2011, Bahia, fez a seguinte declaração:
   "(...) A palavra é poder. Eu digo quem sou. Eu digo como quero ser pensada, representada. Escrever é dizer quem eu sou.(...)"
   Um fenômeno literário do século XXI, são os Saraus Negros, reuniões de poetas, músicos e artistas negros, como o Sarau Bem Black, Cooperifa, Sarau Preto e Sopapo Poético, da onde destaco três poetisas:
- DELMA GONÇALVES: "LANCEIROS NEGROS", 2006, Porto Alegre ( poetisa, contista e compositora, participa de grupos literários e é produtora musical)
- LÍLIAN ROCHA: "A VIDA PULSA", 2013, "NEGRA SOUL", 2016 Porto Alegre, (poetisa, cantora, participa ativamente de saraus e revistas literárias)
 e FÁTIMA REGINA FARIAS, poetisa e compositora que se descobriu no Sopapo Poético e representa a mulher doméstica que expõe em seus poemas a alma da mulher negra brasileira!
    Destaco do sarau Cooperifa a jornalista
- ELIZANDRA SOUZA - "PUNGA", 2007, "ÁGUAS DA CABAÇA",2012,  "PRETEXTOS DE MULHERES NEGRAS", 2013, poeta, jornalista, escritora, é responsável pela criação o Mjiba em Ação - Jovens Mulheres Negras em Ação e editora chefe da Agenda Cultural da Periferia
SALVE A MULHER NEGRA NA LITERATURA!
Ana Dos Santos
Referência:  http://brenoafricanidades.blogspot.com.br/search/label/Conceito%20de%20Literatura%20Afro-brasileira


3 comentários:

  1. mulheres empoderadas e negras kkkk muito boa matéria Ana dos Santos ,,, parabéns e meu nome entre essas divas ? gratidão !!!!

    ResponderExcluir
  2. mulheres empoderadas e negras kkkk muito boa matéria Ana dos Santos ,,, parabéns e meu nome entre essas divas ? gratidão !!!!

    ResponderExcluir
  3. Excelente trabalho de pesquisa Ana dos Santos. Parabéns!

    ResponderExcluir